Melasma: qual a relação com a limpeza do fígado?

Melasma: qual a relação com a limpeza do fígado?

Entenda o que é melasma, suas características, graus e como prevenir e tratar, quebrando o tabu das maiores dúvidas sobre essa condição dermatológica que pode atingir 35% das mulheres adultas no Brasil.

O que é melasma?

Melasma é uma condição dermatológica benigna de hiperpigmentação da pele que surge, principalmente, em áreas expostas ao sol, como testa, bochechas, nariz, queixo e a zona entre o nariz e o lábio superior, em decorrência do aumento da produção de melanina, o pigmento que garante a coloração da pele e evita os danos da radiação. 

Embora o melasma possa afetar ambos os sexos, entre os 27 e 37 anos, é mais comum a ocorrência em mulheres. 

Características do melasma 

Com bordas, contornos e tamanhos irregulares, o melasma pode se manifestar de forma simétrica em ambos os lados do rosto. Isso significa que se uma área específica do lado direito do rosto está afetada, é provável que a mesma área do lado esquerdo também esteja. 

A coloração pode variar em tons de marrom, indo desde um marrom claro até um marrom mais escuro. E, em algumas situações, as manchas podem ser mais acastanhadas ou apresentar uma tonalidade azul-acinzentada.

Graus do melasma

Com base na profundidade e na distribuição das manchas, o melasma é classificado em três diferentes graus, sendo:

Grau 1: caracterizado por manchas claras mais superficiais e recentes, com menos de 1 ano, que geralmente respondem bem aos tratamentos;

Grau 2 com manchas mais visíveis, profundas e escuras, com mais de 1 ano, que não respondem tão bem aos tratamentos convencionais; e o

Grau 3, com manchas mais profundas e escuras, de mais de cinco anos, que podem ter uma aparência azulada e resistência aos tratamentos.

Como surge o melasma?

Mesmo que ainda não compreendidas, as causas relacionadas ao melasma incluem fatores ambientais, como a exposição solar sem uso de proteção; fatores hormonais, como o uso de anticoncepcionais, gravidez, menopausa e terapia de reposição hormonal; e a predisposição genética; com erros que podem agravar o quadro, como a alimentação incorreta, a falta de hidratação, etc.

Melasma tem cura?

Devido ao melasma ser uma condição crônica de pele, não têm cura, mas pode ser tratado para clareamento das manchas já existentes e prevenção contra o surgimento de novas manchas.

Limpeza no fígado cura melasma?

Apesar da informação estar presente em fontes não científicas, como blogs de beleza e bem-estar, a relação do melasma com a limpeza do fígado ou a desintoxicação não foi comprovada por estudos clínicos e, por isso, a resposta é não, a limpeza no fígado não cura ou trata o melasma.

É possível desinflamar o melasma?

Não é possível desinflamar o melasma. Isso porque essa condição não é uma inflamação, mas sim uma hiperpigmentação causada pelo aumento da produção de melanina em certas áreas da pele.

Prevenção do melasma

Para todas as manchas de pele, a prevenção é sempre o melhor caminho. Para isso, é indicado evitar a exposição excessiva ao sol, especialmente nos horários de maior incidência de radiação ultravioleta, e usar diariamente a proteção solar com FPS adequado, como o Protetor Solar em Bastão Com Cor da Ollie, que contém FPS 95, FPUVA 40 e cobertura média com cor para suavização do melasma.

Além disso, é aconselhável evitar o uso de anticoncepcionais e terapia de reposição hormonal sem orientação médica.

Tratamento do melasma

Em casos em que o melasma já está presente, os tratamentos incluem despigmentantes ou clareadores; peelings químicos, que removem as camadas superficiais da pele e estimulam a renovação celular; laser, que atua na remoção das manchas; terapia fotodinâmica, que utiliza luz para estimular a produção de colágeno e reduzir a pigmentação; e fotoproteção, que além de ser um aliado da prevenção, atua na proteção contra a exposição direta ao sol. 

Imagem principal retirada do site Pague Menos – Sempre Bem